Fazenda de Telhado - Nova York

Telhados verdes para a cidade respirar melhor

por Universo Jatoba

Grama, arbustos, árvores…plantas no teto! Essa é a proposta dos telhados verdes, muito usados em vários lugares do mundo, mas ainda pouco difundidos no Brasil. Alemanha, Suíça e Áustria são exemplos de países obrigados por lei a ter biotelhados desde que a estrutura da construção permita. Na Alemanha, eles são usados desde a década de 60 e respondem por 15% das residências e edifícios.

Em Nova York, existe uma lei de incentivo desde 2008 e edifícios que se interessarem pela iniciativa ganham descontos no imposto predial da cidade. É lá que está sendo construída a maior “Fazenda de Telhado” do mundo. O empreendimento fica no último piso do Sunset Park, no Brooklyn. Nesta área, crescerão até mil toneladas de produtos por ano, como tomates, alfaces e ervas, o suficiente para satisfazer às necessidades de consumo de vegetais frescos de até 5 mil nova-iorquinos. O sistema irá captar água da chuva e a primeira colheita está prevista para a primavera de 2013.

É também em Nova York que o designer Marco Antonio Castro criou o Biobus, um ônibus com jardim no teto, que viaja pelos Estados Unidos com um laboratório de ciência para levar educação científica a diferentes comunidades. A ideia é conseguir apoio para instalar os telhados verdes na principal frota de ônibus da cidade, que soma 4.500 carros.

Recentemente uma nova lei de incentivo foi aprovada na Argentina e os prédios que apostarem na novidade poderão pagar até 20% menos imposto. A medida vale para os já existentes, mas a meta é exigir que os novos sejam erguidos já com jardim no telhado.

Vancouver, no Canadá, contribui com a Biblioteca Municipal e sua área verde no topo do edifício, criada em 1995, com 1.850 m².

No cenário nacional e em meio à poluição de São Paulo, o Palácio do Anhangabaú, sede da Prefeitura Municipal, surpreende com seu 14º e último andar todo em área verde e que contém, inclusive, árvores de grande porte.

Benefícios

As plantas ajudam a baixar a temperatura ou evitar o resfriamento exagerado e minimizam as ilhas de calor.

Colaboram com o isolamento acústico e reduzem o impacto das chuvas ao reter parte da água, diminuindo o volume das enxurradas.

Queda significativa da poluição, pois ao realizar a fotossíntese, as plantas inspiram dióxido de carbono e eliminam oxigênio.

Gastos com energia elétrica têm redução de até 20% por causa do resfriamento da construção motivado pela cobertura verde.

Fique Atualizado!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do Universo Jatobá!

Quero receber!