Universo-Jatoba--tijolo

Conheça o tijolo que leva iodo na composição

por Ivana Jatoba

O que antes era considerado um passivo ambiental, agora ganha uma função bastante benéfica para a construção civil, inclusive do ponto de vista econômico. Pesquisadores desenvolveram o tijolo que leva lodo na sua composição, dando um destino nobre ao componente que seria descartado nos aterros sanitários ou mesmo ilegalmente nos leitos dos rios, como infelizmente ocorre em algumas cidades do nosso país.

O lodo, neste caso, proveniente do tratamento da água, deve ser desidratado para este fim. Isso mesmo, este resíduo sólido, que até então ninguém via qualquer utilidade na construção, pode sim, ser componente não só de tijolos, mas também de outros materiais de argila, como revestimentos cerâmicos e telhas. É uma ótima descoberta para as olarias, que economizam com matéria prima, e claro, para o meio ambiente, já que a técnica evita o desperdício desta matéria orgânica .

Segundo testes feitos em laboratórios, o percentual de lodo desidratado que deve participar da composição dos tijolos de cerâmica é de 15%, para não comprometer a resistência e outros requisitos exigidos por norma. Levando em consideração que a produção de lodo nas ETAs (Estações de Tratamento de Água) gira em torno de 800 a 1000 toneladas por mês, temos muito material para ser empregado na demanda de insumos cerâmicos no mercado da construção.

Contudo, até encontrarmos tijolos de lodo à venda nas olarias e casas de materiais de construção, muita coisa ainda precisa ser feita. E o maior gargalo nessa cadeia de produção está na logística, pois é preciso que o lodo saia das ETAs para as olarias, sem que isso represente acréscimo de custo no produto final, pois o grande trunfo dessa tecnologia é o baixo preço do tijolo, além da sua fabricação ser benéfica para o meio ambiente.

Bem, enquanto a questão da logística ainda não é solucionada para os tijolos de lodo, existem também estudos para a utilização de lodo oriundo do tratamento de esgoto para o mesmo fim e emprego de lodo na composição de blocos de cimento. Apesar do árduo caminho para viabilizar novos materiais de construção sustentáveis no mercado, constatamos que os esforços para a sustentabilidade no setor da construção estão crescendo a cada dia, afinal, confirma-se uma tendência mundial.

Foto: freeimages

 

Ivana Jatobá é Engenheira Civil graduada na Universidade Católica do Salvador, especializada em Gerenciamento da Construção Civil pela Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia e Mestre em Gerenciamento de Engenharia Ambiental pela University of Technology, Sydney, Austrália. Atua como consultora em implantação de sistema de qualidade ISO 9001 e Meio Ambiente ISO 14000 em canteiros de obras.

Ivana Jatobá escreve às quintas aqui no Universo Jatobá.

Fique Atualizado!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do Universo Jatobá!

Quero receber!