universo-jatoba-brecho-ecod

As 6 lições aprendidas pela mulher que ficou 200 dias sem comprar nada novo

por EcoD

Lembra da história da alemã que passou o ano inteiro sem fazer uma única compra? E a do casal que mudou hábitos, ficou um ano sem ir ao supermercado e economizou R$ 4 mil? Outro bom (e desafiador) exemplo de consumo consciente é o da engenheira Assya Barrette, que um dia percebeu que vivia com muito mais do que precisava.

Quando o pai da jovem morreu, ela logo tomou a providência de vender e se desfazer dos objetos que pertenciam a ele: inúmeras caixas de materiais de escritório, artigos de cozinha, roupas e móveis. Barrete, então, decidiu que não queria ser como ele nesse aspecto – o de acumular coisas inúteis, segundo ela relatou no site Collective Evolution.

universo-jatoba-brecho-ecod2
A engenheira, que também tem um blog dedicado à sustentabilidade, se propôs a ficar 200 dias sem comprar nenhum objeto novo – as únicas exceções foram os alimentos, medicamentos e produtos de higiene. Fora isso, sempre que precisasse de algo, ela iria buscar o produto em brechós, sites de venda de usados ou simplesmente pediria emprestado a alguém. As lições assimiladas por ela foram as seguintes:

1. Descartamos demais sem necessidade – A quantidade de produtos de segunda-mão disponíveis assustou Assya. Segundo ela, são jogados fora objetos em bom estado enquanto novos são fabricados, o que não faz sentido.

2. Compras por impulso – Muitos dos itens usados que a jovem encontrava eram novos. As pessoas compram por impulso e acabam usando o produto poucas vezes ou, em alguns casos, nem tiram a etiqueta…

3. Estereótipo sobre produtos usados – Geralmente, as pessoas querem vender as roupas que não usam mais para os brechós, mas evitam comprar de segunda-mão.

4. Economia no bolso – A conta bancária da engenheira teve mais saldos positivos do que déficits.

5. Comprar de pessoas, em vez de empresas – Em suas compras por classificados, ela conheceu vendedores, em sua maioria honestos e gentis, e chegou à conclusão de que prefere dar seu dinheiro a pessoas do que a grandes corporações.

6. Eu não preciso – Assya aprendeu que nem sempre ela precisava daquilo que queria comprar. Às vezes, as coisas são apenas “legais de se ter”, por modismo.

 

Matéria do site EcoDesenvolvimento

Fique Atualizado!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do Universo Jatobá!

Quero receber!