Ujatoba_perdao

Sobre o perdão – Parte 2

por Debora Ganc

“O erro em si não é importante, a não ser que você insista em relembrar o fato”. Confucius

Para ter uma vida cheia de amor nas relações precisamos antes abrir mão de ressentimentos, hostilidades e rancores. Pois esses tipos de sentimentos são venenos que tomamos a conta gotas.

Quando estamos agarrados à dor e ao ressentimento em relação a uma pessoa ou situação, essencialmente estamos agarrados às memórias do passado. Precisamos escapar do ressentimento e abandonar a auto piedade, pois ela nos desampara e nos tira o poder.

Os rancores e mágoas que sentimos têm a ver com perdoarmos a nós mesmos, não aos outros. A falta de perdão realmente destrói algo dentro de nós.

Não faz nenhum sentido nos punir no presente por alguém ter nos machucado no passado. Para abandonar o passado, devemos estar dispostos a perdoar mesmo se não soubermos como.

Começamos por abandonar as nossas mágoas, dores e rancores e deixar a questão de lado como um todo. Sem mais julgamentos e ponderações. Simplesmente largamos.

Na realidade o perdão é um presente que damos a nós mesmos. É um ato de graça e de libertação. A beleza desta escolha é que, ao perdoarmos o outro, na realidade estamos escolhendo a liberdade para nossa própria alma.

O perdão verdadeiro nos liberta de apegos e limpa nosso coração das amarras do passado. Nos ajuda a expandir a nossa habilidade de amar e ser amados.

É importante lembrar que perdoar é diferente de aceitar um comportamento errado que causou dor em nós ou em outras pessoas. Não é fácil, mas você pode olhar para trás e dizer: sim, isso aconteceu realmente, mas não vivo mais naquele momento. Hoje escolho deixar esta história no seu devido lugar e sigo minha vida sem este peso.

Relações saudáveis requerem laços saudáveis em que cada um deve assumir as consequências de seus atos e pagar um preço por eles. Essa tomada de responsabilidade é uma parte importante no amar e honrar a nós e aos outros.

Algumas vezes teremos que perdoar alguém várias vezes antes que finalmente consigamos nos livrar de todos os resíduos do passado.

Lembre-se que o perdão é um ato de coragem, de confiança e compaixão. Mas, em compensação é um ato que nos contempla com uma mão cheia de prêmios, de cura, amor, luz e liberação para nossos corpos, mentes e espíritos.

Quando você perdoa está autorizando o início deste processo de amor por você mesmo.

Experimente praticar o perdão para restaurar a paz em seu coração. Você irá se sentir mais leve podendo expandir a sua capacidade de amor, compaixão e cura.

 

Debora Ganc é Terapeuta Sistêmica, Constelações Familiares, Constelações Empresariais. Gestalt e Programação Neurolinguística.

Debora Ganc escreve às quartas-feiras aqui no Universo Jatobá.

Leia também

Sobre o perdão – Parte 1

Fique Atualizado!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do Universo Jatobá!

Quero receber!